FacebookYoutubeRSSPartilhar

Algoso

Chart?chst=d map spin&chld=0
Slideshow
  • Ponte algoso  medium  1 1024 2500
  • T06 01   13   medium  1 1024 2500
  • T06 01   53   medium  1 1024 2500
  • T06 01   48   medium  1 1024 2500
  • T06 01   42   medium  1 1024 2500
  • Castelo algoso 2  medium   2  1 1024 2500
  • T06 01   7   medium  1 1024 2500
  • T06 01   4   medium  1 1024 2500

No sexto troço é o território, por excelência, da oliveira, até à subida ao planalto, em Serapicos, onde já domina o castanheiro.

Algoso é uma das 14 freguesias do município de Vimioso. É a freguesia mais a sul do município, delimitando Vimioso do município de Mogadouro, encontrando-se a 13 km da sede de concelho. Com 37 km2, esta freguesia abrange as localidades de Algoso e Vale de Algoso.

A Aldeia de Algoso foi vila e sede de concelho até 1855, ano em que foi extinto e incorporado no município de Vimioso. Devido ao seu passado histórico, Algoso está repleta de monumentos históricos. Esta localidade é servida em termos de rede viária pela N 219.

Orago: S. Sebastião.

Outros locais de interesse: Entre a aldeia e o castelo de Algoso, no local com o topónimo Convento, podem observar-se as ruínas do antigo convento; Barragem do Capitão Mor, Praia fluvial de Vale de Algoso; os Cursos de Água do Rio Maçãs e da ribeira do Angueira.

Feiras: Feira Mensal ao dia 9 de cada mês e Feira de S. Lourenço (Feira Franca) a 9 de Agosto.

PATRIMÓNIO EDIFICADO

Igreja Matriz de Algoso/ Igreja de São Sebastião (Séc. XVI);
Castelo de Algoso (Séc. XIII) - Imóvel de Interesse Público (Decreto n.º 40 361, DG, I Série, n.º 228, de 20-10-1955)
Capela de Nossa Senhora da Assunção
Capela de São João Baptista (Séc. XVII);
Capela de São Roque (Séc. XVII);
Igreja da Misericórdia de Algoso (Séc. XVII);
Pelourinho de Algoso (Séc XVI) - Imóvel de Interesse Público (Decreto n.º 23 122, DG, I Série, n.º 231, de 11-10-1933);
Antigo Paços do Concelho;
Casa Senhorial - Antigo Palácio dos Távoras;
Convento de Algoso (ruínas);
Castelo do Mouros de Algoso (Povoado Fortificado);
Ponte e Calçada Medieval de Algoso (Em Vias de Classificação (com Despacho de Abertura; Procedimento prorrogado até 31 de Dezembro de 2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011)).

ENQUADRAMENTO

A antiga vila transmontana de Algoso foi sede de concelho até 1855, ano em que foi extinto e incorporado no município de Vimioso. A freguesia de Algoso é uma das mais importantes do concelho de Vimioso. A doze quilómetros da sede do concelho, é a freguesia mais a sul do município, delimitando Vimioso do vizinho município de Mogadouro. O Castelo de Algoso tem uma vasta história de ocupação, iniciada na Idade do Bronze e terminada na Idade Moderna. É a demonstração de que o povoamento da área da atual freguesia começou ainda durante a Pré-História. Classificado como Imóvel de Interesse Público, começou por ser construído devido às excelentes condições estratégicas e de defesa de que usufruía.

O pequeno castelo surge no alto do Monte da Penenciada, um cabeço penhascoso que se despenha quase a pique, a mais de 600 metros, sobre o Rio Angueira, que por sua vez vai confluir a oeste com o Maçãs.

O Aglomerado implanta-se a norte do Castelo de Algoso, sobre o festo planáltico do interflúvio Angueira/Maçãs.

O núcleo primitivo de estrutura orgânica e ocupação densa, desenvolve-se na envolvente da Igreja Matriz, estendendo-se para Norte ao longo dos acessos do aglomerado. As expansões recentes, situam-se na periferia, quer ao longo da EN 215, quer no acesso a Norte a partir daquela estrada, com uma ocupação de moradia unifamiliar isolada, e para poente da Igreja Matriz, marcando uma anterior expansão com uma ocupação em banda, ambas apoiadas em arruamentos largos, que contrastam com os de núcleo primitivo, de perfil menos generoso.

O aglomerado apresenta um razoável estado de conservação, com exceção do sector a sul da Igreja Matriz e ao longo do acesso Norte, mais degradado. As intervenções de recuperação e remodelação, atuando sobre o edificado primitivo, têm dissimulado a arquitetura popular mantendo, no entanto, a sua raiz, o que permite uma leitura sem dissonâncias contrastantes. As construções são, em regra, rebocadas e pintadas sobre alvenarias de xisto de pedra miúda com junta argamassada e vãos emoldurados em granito. A varanda de sacada e alpendrada, é um elemento comum nas construções tradicionais.

Também numa outra proeminência, conhecida por Cabeço dos Moiros, mais a Sul, junto ao Angueira, há vestígios de um outro povoado fortificado, com sistema defensivo composto por duas linhas de muralha, conhecido por Castelo dos Mouros de Algoso.

Algoso era ponto de passagem obrigatório para os romeiros que percorriam o Caminho de Santiago. Aqui chegavam com os pés doridos, iam lavá-los à Fonte Santa, aproveitando este local não só para curar as chagas, mas também para descansar.

Morada

Algoso, Vimioso

Pontuação
Ainda não tem opiniões registadas
Total de Visualizações
1680 visualizações