FacebookYoutubeRSSPartilhar

Festa do Velho e da Galdrapa

Datas
13 Dez 2017
Chart?chst=d map spin&chld=0
Slideshow
  • Festa do velho e da galdrapa 1 1024 2500
  • Festa do velho e da galdrapa4 1 1024 2500
  • Festa do velho e da galdrapa2 1 1024 2500
  • Festa do velho e da galdrapa3 1 1024 2500

A festa do 'Velho e da Galdrapa' (em língua mirandesa,'L Bielho i la Galdrapa') esteve "adormecida" desde a década de 60 do século XX, com uma fugaz aparição na década de 90 do mesmo século, fruto de empenho de um grupo de pessoas, que recuperou durante dois anos esta tradição ancestral. E com o empenho de alguns investigadores ligados à temática das máscaras no Nordeste Transmontano, o ritual ganhou agora nova vida. 

"Foi o primeiro do seu género a sair à rua no território do Planalto Mirandês, antes do solstício, o que deita por terra algumas teorias do passado, que referem que o período destas festas pagãs se desenvolve entre o dia de Natal e os Reis", indicou à Lusa Alfredo Cameirão, um dos responsáveis pela recuperação desta tradição, "uma das mais genuínas do Nordeste Transmontano, e também "um dos exemplares únicos do património imaterial de uma região que em boa hora foi recuperada e trazida de novo para as ruas".

Segundo Alfredo Cameirão, com a revitalização da festa do "Velho e da Gualdrapa", a teoria de que estes rituais só se realizavam no designado "período dos 12 dias", ou seja, o tempo que vai do Natal aos Reis, cai por terra.

"Durante algum tempo, essa afirmação fazia-nos 'cócegas' e ficou provado que estes rituais começavam bem mais cedo, neste caso a 13 de dezembro, dia de Santa Luzia, e que era celebrado na aldeia. Agora, a festa tem de ser feita o mais próximo deste desta data" devido ao despovoamento da localidade" enfatizou.

E foi o despovoamento que acabou com a festa, com principal incidência, no período forte emigração verificada na década de 60 do século passado para diversos países europeus.

Os Rituais do Solstício de Inverno, também conhecidos por Festa do Rapazes, são manifestações pagãs que se vivem um pouco por todo o Nordeste Transmontano e que simbolizam a emancipação dos jovens que neles participam. São rituais de "fecundidade" e de passagem.

Para quem veste a máscara, garante que se trata de uma transformação única e que transporta o mascarado para outras dimensão, onde só pensa em fazer tropelias e interagir com a população, principalmente raparigas e mulheres jovens.

Fonte: Texto de Sapo Viagens e fotos de FIMI

Morada

São Pedro da Silva, Miranda do Douro

Pontuação
Ainda não tem opiniões registadas
Total de Visualizações
79 visualizações