FacebookYoutubeRSSPartilhar

Avelanoso

Chart?chst=d map spin&chld=0
Slideshow
  • T02 01   2   medium  1 1024 2500
  • P8260023  medium  1 1024 2500
  • Arq popular avelanoso  medium  1 1024 2500
  • T02 01   3   medium  1 1024 2500
  • P8260003  medium  1 1024 2500
  • T02 01   16   medium   2  1 1024 2500
  • P8260029  medium  1 1024 2500

No segundo troço, o mais curto da série, percorre a bacia de apanhamento do Angueira, onde o planalto de Miranda se esgota nos primeiros contrafortes da serra de Culebra.

Avelanoso, com uma área de 29 km² e uma densidade populacional de 5 hab/km², é a freguesia mais a norte de Vimioso, está a 14 km da sede de concelho, no sopé da Serra do Mó (antigo castro mourisco e mais tarde, romano), que deu origem à conhecida lenda da fonte da moura. O seu acesso é feito através da estrada EM 542.

Orago: S. Pedro.

Primeira referência histórica: Avelanoso é referido pela primeira vez, na documentação oficial, nas Inquirições de 1258, ordenadas por D. Afonso III.

Outros locais de interesse: Parque de Merendas e Parque das Olmedas.

PATRIMÓNIO EDIFICADO

Igreja Paroquial de Avelanoso/ Igreja de São Pedro;
Capela Santa Marinha - em ruínas, situada numa encosta sobre a ribeira de Santa Ana;
Cruzeiro;
Tanque em Granito;
Fonte de Baixo;
Moinho de Água;
Pombais.

ENQUADRAMENTO

Por alturas de 1809, a fronteira transmontana era permanentemente ameaçada pelos espanhóis, daí a portaria do Conselheiro de Guerra desta província, com data de 21 de Janeiro do mesmo ano, que apontava para a imediata e pronta fortificação, não só de Avelanoso, como de outros lugares.

O povoamento da área onde atualmente se insere a freguesia remonta ao período pré-histórico. São abundantes os vestígios existentes ou dos quais existe apenas o registo documental. Nos primeiros documentos em que a freguesia é citada, aparecem as formas populares Avelanso, Avelaoso e Avelaõsa. Mais tarde, iriam surgir formas mais eruditas, como Avelana, que iria corromper-se em Avelanoso.

A zona envolvente ao aglomerado é ocupada por hortas e quintais, dispostos ao longo das linhas de água e coloridos por pequenas explorações, em mosaico, de legumes e hortaliças, ponteados por árvores de fruto. A exploração cerealífera e os soutos (com várias plantações novas de castanheiro) envolvem o aglomerado interrompido, pontualmente, por carvalhos e manchas de matos (giesta, esteva e arçã).

Aglomerado bipolarizado nas margens da Ribeira de Santa Ana. Na margem direita, o núcleo primitivo, com uma estrutura orgânica e ocupação densa mantendo, apesar de algumas intervenções de substituição de pré-existentes, conjuntos homogéneos de arquitetura popular tradicional de casas em xisto e elementos de travação nos vãos em cantaria de granito, abandonados ou degradados.

Marcam a margem direita áreas de expansão do aglomerado com edifícios de arquitetura contemporânea de casa unifamiliar isolada de padrões estéticos sem qualidade, que descaracterizam o aglomerado.

Este núcleo assenta numa estrutura linear, que se desenvolve em diferentes níveis da encosta que ocupa, voltada a sul, com apoio na EM542, que constitui o acesso nascente ao aglomerado de Avelanoso e, ultimamente, o seu principal eixo de expansão.

Morada

Avelanoso, Vimioso

Pontuação
Ainda não tem opiniões registadas
Total de Visualizações
1342 visualizações